Tools

BALANCO SEIS MESES DOUTORA BETE

Diálogo com os servidores é uma das estratégias de ação da gestão do Hospital

Cerca de 60 pessoas reuniram-se, na última segunda-feira (16), no Auditório do Hospital Universitário Regional de Maringá (HUM), para conversar com os membros da Gestão 2019-2022. O evento foi promovido pela superintendência do Hospital, com o objetivo de apresentar as ações realizadas no primeiro semestre de trabalho, os problemas que o HUM vem enfrentando, as proposições para os próximos anos e abertura de espaço para ouvir a comunidade do Hospital.

A reunião foi aberta com a palavra do vice-reitor da Universidade Estadual de Maringá (UEM), professor Ricardo Dias Silva, que justificou a ausência do reitor, professor Julio César Damasceno, que estava em Curitiba e, por isso, não pode comparecer.  Em seguida, parabenizou a equipe diretiva do Hospital, ressaltando a coragem que o grupo teve para se candidatar a esse trabalho, em um momento muito difícil para a UEM e a unidade de saúde HUM.

BALANÇO SEIS MESES RICARDO

Dias salientou que, desde a campanha para a atual Reitoria, vem visitando o Hospital com frequência e percebeu a necessidade que os servidores apresentavam em relação a um espaço mais democrático, com oportunidade para falar, ouvir e discutir. Houve as eleições para a diretoria e para as chefias e, agora, é importante manter esse espaço de conversa entre os gestores e os servidores.

Dias destacou, ainda, a necessidade de “uma equipe articulada, uma estrutura administrativa com um projeto bem desenhado e transparente. No momento atual, se não trabalharmos de forma colaborativa não vamos conseguir enfrentar os desafios que as questões políticas nos apresentam, em nível estadual e nacional”.

O vice-reitor observou, também, que a equipe do HUM está em sintonia, mesmo aqueles que pensam diferente ou têm outras visões sobre o Hospital, estão se incorporando às ações da nova equipe gestora para vencer as adversidades. Fica claro que, acima das diferenças, todos têm a UEM e o HUM como prioridades. 

BALANCO SEIS MESES EQUIPE

Balanço – A superintendente do HUM, doutora Elisabete Mitiko Kobayashi, fez uso da palavra e, em primeiro lugar, agradeceu o apoio da Reitoria da UEM à equipe diretiva e de todos os servidores do Hospital.

Em seguida, apresentou a estrutura do HUM e o funcionamento em relação ao processo de prestação de serviços de saúde. Destacou os desafios enfrentados ao assumir a gestão, como as demandas do Ministério Público, ressaltando que acredita que “conseguimos dar conta de muitas questões fundamentais, nesses primeiros seis meses de trabalho, procurando resolver as questões no momento em que elas acontecem, especialmente, aquelas que dizem respeito à assistência”, esclareceu à superintendente.

Uma das vitórias que a doutora Elisabete Kobayashi destacou foi a retirada das macas e cadeiras do corredor do Pronto Atendimento (PA) do HUM, possibilitando uma melhora significativa do fluxo de atendimento. Ela ressaltou que isso só foi possível pelo trabalho em conjunto com as equipes internas do HUM, que, prontamente, fizeram um novo dimensionamento para o serviço.  A gestora lembrou que não houve diminuição no número de pacientes atendidos, mas sim uma nova dinâmica de atendimento, sempre visando à qualidade na assistência prestada.

A doutora Elisabete afirmou que o grande desafio é tornar o HUM uma unidade de referência para os atendimentos de urgência e emergência, bem como os atendimentos complexos do PA  e do Ambulatório de Especialidades. Para isso, o Hospital dispõe de profissionais médicos altamente capacitados. “Mas, é preciso estrutura física e condições de trabalho para conseguirmos oferecer à população da região as especialidades que possuem um vazio de atendimento. Assim, poderemos receber mais recursos para crescermos e apresentarmos resultados positivos para aqueles que precisam de nós”, disse a superintendente.

BALANCO SEIS MESES HERMES

Por fim, o diretor administrativo Hermes Barboza apresentou a situação financeira do HUM, por meio de planilhas, e a doutora Elisabete solicitou a ajuda de todos da comunidade do Hospital para, juntos, enfrentar os problemas de frente. “Será possível reestruturar cada vez mais nossos processos, capacitar as pessoas para as tarefas, com isso, poupar recursos e, até, conseguirmos abrir novos serviços e arrecadar mais. Para isso, prometemos diálogo, cada vez mais freqente. Vamos nos reunir sempre e chamar os setores para opinar sobre os diferentes aspectos da gestão do HUM”, concluiu a gestora.