Antibiotico amoxicilina

Essa é a segunda fase de um projeto sobre a ação da Amoxicilina

O Núcleo de Pesquisa Clínica e Bioequivalência (NPCBio), do Hospital Universitário Regional de Maringá (HUM), está recrutando voluntários que queiram participar de uma Pesquisa Clínica para verificar a absorção do antibiótico Amoxicilina em pessoas com sobrepeso.

A pesquisa faz parte do projeto Determinação do Perfil Farmacocinético de Amoxicilina em Pacientes com Sobrepeso, coordenado pela professora Elza Kimura, e é tema do mestrado de Ana Luiza de Paula Soares, aluna do Programa de Biociências e Fisopatologia, da Universidade Estadual de Maringá (UEM). “O objetivo é saber se a absorção do medicamento, ministrado na forma de comprimidos, é igual entre pessoas com e sem sobrepeso”, explica a mestranda. 

Segundo a estudante, a Amoxicilina é um antibiótico amplamente usado para combater infecções e aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a administração com receita médica. A dose a ser utilizada, no entanto, precisa ser repensada, visto que a população está ganhando peso. A pergunta é: será que é preciso oferecer doses específicas para pessoas com biótipos diferentes?

KIMURA CORRETA

A primeira parte das pesquisas do grupo focou as pessoas que se submeteram à cirurgia bariátrica. A investigação de doutorado de Maiara Camotti Montanha encontrou resultados interessantes. “Houve uma leve redução da absorção da Amxocilina oferecida em comprimido e relação à suspensão. Isto é, para pacientes bariátricos é recomendada a ingestão do medicamento na forma líquida, porque assim ele é melhor absorvido”, explicou Elza Kimura. A professora acrescentou que os resultados deste trabalho foram colocados em um artigo que será publicado em uma importante revista científica britânica, British Journal of Clinical Pharmacology, que possui o mais alto nível de qualidade (A1), entre as publicações da área, o que reforça a importância das informações que a pesquisa descobriu.

Os voluntários – Ana Luiza acrescenta que os resultados de uma pesquisa são importantes para a comunidade científica e médica, por isso, precisam ser publicados em revistas de renome. Porém, essas informações também são muito úteis para o participante da pesquisa. “Porque ele saberá qual a quantidade de Amoxicilina que seu corpo absorve e se precisa de uma correção na dose padrão para ter o efeito terapêutico esperado. Esse dado ele poderá oferecer ao médico, caso tenha algum problema de saúde”, explica a mestranda.

ANA SITE

Para ser voluntário da pesquisa é preciso ter entre 18 e 50 anos e não sofrer de doenças como hipertensão, diabetes e anemia. Funciona da seguinte maneira: a pessoa se inscreve, passa por uma avaliação clínica e, ao se encaixar nos critérios de inclusão, entrará no processo de ingestão da Amoxicilina, controlados por protocolos éticos e clínicos. A absorção do medicamento será medida por um equipamento que vai analisar amostras de sangue desses voluntários para definir a porcentagem de absorção do remédio. Serão selecionados 24 pessoas com sobrepeso, mais especificamente com Índice de Massa Corporal (IMC) entre 30 e 40, e outras 24 pessoas com IMC dentro do padrão normal.

“O participante não terá custos! Será feito o ressarcimento dos custos de deslocamento e fornecida refeições durante o estudo. Para quem quiser participar pedimos que preencha o formulário (https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLScgnl5RWfiLqIuXWqAon1NG3-9Smum4gC8QQvgfNbnCn8YqTw/viewform?usp=sf_link). Quem quiser mais informações pode conversar conosco pelo telefone ou WhatsApp. O número é o (44) 99117-8564. Temos, também, o email Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. e nossa página no Facebook: www.facebook.com/npcbio.uem. Venham ser um voluntário”, concluiu Ana Luiza.